Growth Hacking
Karina Alonso

Marketing

Growth Hacking: o crescimento como estratégia de marketing

O Growth Hacking, metodologia que busca o crescimento exponencial do negócio, atingindo mais consumidores, nasceu em um cenário onde muitas mudanças digitais e comportamentais aconteciam e o marketing também precisava se atualizar para atender às necessidades das empresas e seus clientes. Conheça mais sobre a estratégia, as fases de seu processo e técnicas que podem ser utilizadas em seu negócio:

O que é Growth Hacking?

Segundo Sean Ellis, um de seus idealizadores, o Growth Hacking é uma forma de fazer marketing baseado em experimentos. Seu objetivo é encontrar oportunidades, buscando resultados rápidos e focado no crescimento exponencial da empresa. Assim, ela consegue alcançar seus objetivos de maneira mais acelerada, usando a menor quantidade possível de recursos.

A técnica é baseada em testes e experimentos, para descobrir brechas que façam o negócio crescer de maneira mais inteligente e rápida. Os pontos críticos da empresa são indicados por KPIs que medem seu sucesso, como tráfego e leads, e variam conforme as necessidades e o que a organização entende como sucesso. Se o tráfego estiver baixo, por exemplo, serão traçadas estratégias para aumentar o fluxo, de maneira eficiente.

Growth Hacking, porém, não é mágica: como todo processo, deve ser bem estruturado e acompanhado de perto. É necessário, também, o investimento em ferramentas e estratégias que façam os experimentos e automações, além de ter um time qualificado para encontrar as soluções mais adequadas para cada caso.

Por que aplicar o Growth Hacking?

No modelo antigo de marketing, a compra de publicidade era feita sem nenhuma garantia. No máximo, você tinha acesso à uma estimativa de público que poderia atingir, considerando a audiência de um veículo tradicional de comunicação, por exemplo. Isso, porém, saía caro para marcas menores e que normalmente têm orçamentos mais enxutos.

O Growth Hacking cresce por meio dessa necessidade: ao aplicá-lo, a equipe chegará à conclusão de quais canais e formas de publicidade serão mais eficientes para o caso de sua empresa, além de ter uma estimativa mais próxima da realidade, baseada nos testes já feitos. Essa estratégia também tem sido aplicada com sucesso em startups, fazendo com que sejam escaláveis, tenham processos que possam ser reproduzidos com mais consistência e sejam sustentáveis.

As fases do Growth Hacking

Como todo processo, o Growth Hacking só tem sucesso se aplicado com método e técnicas, baseados em um propósito específico. Confira as fases desta metodologia:

Product-Market Fit: crie um produto desejado e que atenda às necessidades do mercado e de quem irá consumi-lo. Às vezes, uma pequena mudança em sua empresa já é suficiente;

Growth Hacks: o time deve formular hipóteses, os experimentos começam a ser aplicados e os primeiros usuários serão alcançados. Aqui é possível identificar as mudanças necessárias para gerar os resultados em menor tempo e com menor custo;

Escala e viralização: uma forma de conseguir esses resultados almejados é fazendo com que seus consumidores sejam os propagadores do seu produto ou serviço e recebam alguma vantagem com isso;

Otimização e retenção: agora que os resultados foram alcançados, é preciso otimizar essa solução, melhorando a usabilidade e agradando os usuários. Esses consumidores precisam ser retidos, para que a base de clientes seja consolidada. Ao conseguir isso, o experimento está finalizado e validado.

Estratégias de Growth Hacking

A partir da análise dos KPIs, é possível traçar as melhores técnicas para seu negócio. Por isso, não é possível apresentar um plano genérico, que pode servir como base. Separamos, porém, algumas sugestões de estratégias que podem ser aplicadas:

  • Marketing de referência: é uma das principais técnicas de viralização, transformando os clientes em promotores da marca e incentivando a divulgação boca a boca;
  • Marketing de conteúdo: uma das principais ferramentas de tráfego, sendo aliado a técnicas de SEO e backlink, por exemplo;
  • Princípio de escassez: o objetivo é passar a ideia de que tudo o que é escasso, é valioso. Sendo assim, o cliente vai querer garantir logo o produto ou serviço;
  • Testes constantes: os testes A/B são os mais conhecidos, baseados na publicação de duas versões de um material, para ver qual deles gera mais resultados.

Só existem diversas técnicas de marketing porque o mercado e seus consumidores estão em constante mudança. Além disso, nem todas as metodologias servem para todas as empresas, mas, ao entendê-las, é possível aplicar o processo que funciona para o seu caso.

0